domingo, 3 de abril de 2016

Uma alma só de rolê

(Pedro Paulo Marra)

(Foto: Divulgação)

Minha alma foi passear.
Foi pegar um ar.
Inusitado ao meu paladar.
Para que eu possa versar.

Minha alma foi passear.
Foi namoricar.
Não à toa, ficou toda beijada.
Batom barato, pra não manchar.
Eita alma safada.

Minha alma foi passear.
Também para fazer compras.
Saciar meu olfato por frutas, das boas.
Entretanto, teve de voltar.

Eu estava para acordar.
Quando me toquei.
Minha alma havia feito essa poesia.
Quando deitei no sofá, e por lá fiquei.

Produção: 19 de Fevereiro de 2016.

Nenhum comentário:

Postar um comentário