quarta-feira, 8 de junho de 2016

Água de ouro

(Pedro Paulo Marra)

(Foto: Divulgação)

Ilhado.
Ilhado.
Mais uma vez.
Irado por estar ilhado.
Quase jogado ao calvário.
Pobre Lazário.

Prisioneiro da própria luta.
Jogado pelos cantos da canoa.
Implorando ajuda.
Num infernal isolamento, sem alimento e com a fala nula.

Sua canoa já foi de um lado pro outro.
Como dados dançando na superfície.
E o pior caro leitor, é o que ainda não te disse.

Lazário procura ouro.
Da herança de Luiz, seu pai.
Mal sabe ele o motivo de o lago ser dourado.
Nos arredores do vale, a ficha cai.
"Brilhará o homem que lutar por um lugar".
Lembranças de seu pai.

Produção: 1º de Junho de 2016.

Nenhum comentário:

Postar um comentário