terça-feira, 19 de julho de 2016

Carta de poemor

(Pedro Paulo Marra)

(Foto: Divulgação)

E essa carta?
Joga!
Joga no ar.
Que eu pego.
Lá no alto, sem pensar.
Mas joga mesmo, pra eu te mostrar.

Mostrar de fato.
Sem dar voltas.
Te ganhar, não só no beijo.
Mas te proporcionar melodia por cordas.
Cordas vocais não!
E sim, aquelas que escrevo na sua imaginação.

Produção: 15 de Julho de 2016.

Nenhum comentário:

Postar um comentário