sábado, 1 de outubro de 2016

Poetisa urbana

(Pedro Paulo Marra)

(Foto: Divulgação)


Na mão, seu nome.
Se sentindo num show acústico,
debaixo do chuveiro até quando sai à rua,
Rosa versou pelo ar seu som lúdico.
Cantava ela, nua e crua.

Sua silhueta ganhou o sol como espelho.
Sombreou as folhas com seu cabelo.
Tocou as notas do violão com zelo.
Enquanto escrevia uma carta colando o selo.

Ela nunca foi de presentear-se.
Distribuía amor para quem passasse.
É aí em que as cartas ganham a cena.
Andando na rua, distribuía poesia.
Esse é o esquema.

Pediam mais declamações da varanda.
Pediam bis.
E ela toda branda,
compunha de matriz em matriz.

E o que tinha no selo?
"Poetisa urbana", escrito com seu cabelo.

Produção: 26 de setembro de 2016.

Nenhum comentário:

Postar um comentário