domingo, 3 de setembro de 2017

Por hora, branco

(Pedro Paulo Marra)


(Foto: disponível)

As mãos deslizam o branco.

Nobre papel.

À mercê de um poeta.

Com a caneta firme na mão.

Pinta com a tinta então.


O cobaia nada tinha.

 Na verdade,

tatuou letras nas linhas,

eternizando a poesia.

Produção: 28 de agosto de 2017.


Nenhum comentário:

Postar um comentário